Kitesurf: a gente quer velejar também – Aulas de Kite na Taíba – Parte II

Como prometido, vou relatar a minha experiência de aprendizado no Kitesurf mais detalhadamente, para que os iniciantes possam sentir o que vem pela frente. Eu amei velejar, a evolução é bem rápida e a sensação é incrível. Se você almeja praticar algum esporte nautico que envolva prancha e teve dificuldade ou frustrações anteriores (com surfe ou windsurf por exemplo), o kite é o caminho. É mais fácil e exige menos resistência física e força do que ambos e muitas mulheres praticam com excelência. É imprescindível contratar um bom professor para explicar toda a técnica e garantir a segurança nas primeiras vezes. Como já disse no post anterior meu professor foi o Roberto Rocha, da Taíba Kiteboarding School. Ele é fera e ajudou muito no meu aprendizado. Valeu Betinho!!!

Taíba 2013 (844)

Dia 1 – No primeiro dia de aula fiz duas horas seguidas. Usei um kite 8, já que o vento não estava tão forte. Primeiramente trabalhamos um pouco do comando do Kite na areia. Fiz questão de colocar capacete, colete e todos os equipamentos de segurança que eu tinha direito – é meio mico mesmo, mas segurança em primeiro lugar. Depois fomos pra água praticar o que eles chamam de Body Drag. O Body Drag nada mais é do que velejar sem prancha. A vantagem é que o instrutor vai junto, segurando no seu trapézio e passando as instruções. Pratiquei para os dois lados com o Beto e depois ele me deixou fazer sozinha por mais algum tempo. O próximo passo foi o Beach Start. Da areia você pratica a saída, o comando que tem que dar para o Kite te levantar e você sair deslizando sobre a prancha. E o negócio cansa viu… Depois dessas duas horas o que eu mais queria era ficar mergulhada na lagoa, apreciando o por do sol.

page1

Dia 2 – O vento não estava dos mais fortes e mesmo assim, pelo menos para os padrões de SP, usei um kite pequeno, 7. Começamos relembrando um pouco da aula anterior, fazendo o Beach Start. Depois de 15 min, fui para água já com a prancha, porém com o instrutor me segurando pelo laish, para treinar o start da água. Em 15 min eu sai velejando pela primeira vez. Eu sou Goofy, o que significa que a minha base boa é para a direita. Por isso, nesse dia, fiquei treinando só ir para esse lado. Ia velejando, voltava andando e trazendo a pipa. Muitas vezes. E cansa. Sem contar os diversos arrastos e capotes que levei ao tentar sair com a prancha e dar o comando muito forte, ou embicar ou dar outro comando forte no meio do velejo. O bom é que a lagoa é rasa, e tudo fica mais fácil quando você pode ficar de pé. Mas é dificl aguentar essa maratona por horas seguidas, apesar de ser muito divertido. Por isso nesse dia, fiz uma hora de manhã e mais uma hora depois do almoço.

page2

page3

Dia 3 – Infelizmente, depois de um dia inteiro debaixo de sol, com o vento forte batendo, minha imunidade caiu e eu fiquei com uma dor de garganta daquelas, com febre alta e tudo mais. Aproveitamos esse dia para fazer algo mais leve e fomos a Fortaleza, conhecer o Beach Park. Conto tudo depois, em outro post.

Dia 4 – O dia no Beach Park não foi suficientemente leve para minha recuperação, por isso, tirei a manhã desse dia para ficar em casa e tentar me recuperar. A tarde fui para a lagoa e fiz uma hora de aula, que apesar de não ter sido tão proveitosa rendeu boas pernadas para a direita.

Dia 5 – O dia amanheceu com o vento mais fraco. Fiz uma hora de aula, com kite 12. Foi o melhor dia pra mim, aproveitei muito. Comecei a dar o start para esquerda e tentar velejar para os dois lados. A tarde, fomos para Paracuru, que também vai ficar para outro post.

Kitesurf TAiba

Dia 6 – Fomos cedo para lagoa para tentar aproveitar o ultimo dia. Fiz 1h 30 min de aula e consegui velejar um pouco mais para a esquerda e atravessar a lagoa. Comecei com um kite 12, mas na última meia hora o vento aumentou muito e trocamos para um kite 6. O vento ficou bem forte e mais rajado e achamos que a melhor opção era parar por ali. A Taíba mostrou seu potencial e com aquela vontade de quero mais fomos embora. Era hora de partir rumo a Fortaleza.

Fiz o total de 7 horas e meia de aula. O fato de eu ter ficado doente atrapalhou bastante o meu rendimento nas últimas aulas e acredito que o total de dez horas aula é o mínimo mesmo para quem quer começar a praticar o esporte sozinho. Voltando da viagem, eu não me senti segura pra velejar sozinha no canal de são Sebastião – como comentei em um dos posts anteriores, o velejo aqui é mais dificil e precisa de bote de apoio. Fiz uma aula desde então, comprei meu equipamento e não vejo a hora de voltar para a Taíba para velejar na lagoa rasa de aguas doces, com o vento constante e lá dominar minha base contraria e aprender a orçar. (Sei que muitos vão me chamar de preguiçosa… e acho que sou. Mas por que ir pelo caminho mais complicado?rs). Aí quem sabe vou parar de morrer de vontade quando o vento entra e os kites colorem o céu da minha cidade. By the way, o Gui ajuda no colorido… sempre que pode ele coloca a pipa vermelha dele no ar.

Mais informações:
Taíba Kitebording – Roberto Rocha
Rua Capitão Inácio Prata – SN, Taíba, Ceara, Brazil (0xx85) 9127-6708
https://www.facebook.com/pages/Ta%C3%ADba-Kiteboardingcom-Kiteboarding-School/132439880265214 

 

No próximo post: Aonde comer na Taíba

Kitesurf: a gente quer velejar também – Aulas de Kite na Taíba

Diferente do que acontece em outros esportes, você não pode simplesmente pegar o seu equipamento de Kite e sair “tentando” velejar por aí. Primeiramente por que é um pouco perigoso, não só para o praticante, como para os que estão em volta – no dia que chegamos o Gui passou por um perrengue por tentar velejar sozinho – mas principalmente por que não é algo simples. É mais ou menos como dirigir, depois de receber instruções e de entender os principios de comando e funcionamento, fica fácil. Porém sem esses principios, você não vai saber nem por onde começar!

O Gui foi parar nas pedras no primeiro dia de velejo. Graças a Deus deu tudo certo e só o Kite saiu ferido!

O Gui foi parar nas pedras no primeiro dia de velejo. Graças a Deus deu tudo certo e só o Kite saiu ferido!

Nosso amigos mais experientes no Kite já conheciam a praia e os locais e nos indicaram como professor o Roberto Rocha. Atleta da Best Kitesurf, ele é um dos feras da cidade e dá aulas de Kite para os turistas, além de incentivar e dar suporte a mulecada local para a pratica do esporte.

Nos encontramos com ele na nossa primeira noite na Taíba, no bar em que ele faz caipirinhas e reúne a galera no centrinho do vilarejo. Combinamos mais ou menos qual seria o esquema e os horários da semana, demos uma olhada na previsão do vento e nos equipamentos.

page2

Nossa galera no bar do Beto, no centrinho da Taíba.

Para quem não sabe nada, o ideal é fazer no mínimo dez horas de aula. Nos valores já está incluso todo o equipamento, o preço é super justo e vale muito a pena para o resultado final.

Como iríamos ficar sete dias, e já possuímos um pequeno conhecimento prévio optamos por fechar inicialmente seis aulas para mim – duas horas por dia para os próximos três dias – e quatro para o Gui.

O Gui foi super bem. Já saiu velejando para os dois lados na primeira aula, orçou, e no fim das quarto aulas já foi dispensado pelo professor.

page3 Taíba 2013 (68)

page4

A minha experiência vou relatar mais detalhadamente. Mas isso fica pro próximo post.

Mais informações:
Taíba Kitebording – Roberto Rocha
Rua Capitão Inácio Prata – SN, Taíba, Ceara, Brazil
(0xx85) 9127-6708
https://www.facebook.com/pages/Ta%C3%ADba-Kiteboardingcom-Kiteboarding-School/132439880265214

Kitesurf: a gente quer velejar também – A lagoa de Taíba

Taíba não seria o paraíso do Kitesurf sem a lagoa que fica na ponta esquerda da praia. Conhecida também como lagoa Barra Mares, tem águas doces e refrescantes, na maior parte rasas.

Lagoa Taíba

As condições são excelentes para quem está aprendendo. Não consegue redecolar o kite? É só ficar de pé e os perigos da correnteza vão embora. Sem falar no vento constante e “uniforme”, que facilita muito a vida dos iniciantes.

Para os mais experientes a lagoa também garante espaço e vento para praticar manobras e saltos com segurança.

O maior perigo do local é ser arrastado em direção as pedras que formam uma espécie de funil que levam para o outro lado da lagoa, esse mais raso ainda e com um fundo de pedras cortantes.  Por isso, é bom manter uma distância segura desse ponto. Fora isso é só aproveitar e se jogar.

O tamanho da lagoa varia conforme o volume das chuvas, e se a época for de seca vale ressaltar que ela pode ficar pequena demais para o velejo.

page2

A lagoa fica longe de tudo. Não há pousadas nem hotéis próximos. A única construção é uma casa com o maior muro que eu já vi na vida – dizem por lá que a casa já foi de Renato Aragão, Xuxa e que atualmente pertence a um português.

page6

Do Taiba Beach Resort, o trajeto até a lagoa demora cerca de 10 min se feito pela Estrada e um pouco menos que isso quando você vai pela praia de bugue.

Existe um pequeno quiosque na beira da lagoa que nos finais de semana e dias de maior movimento serve pequenas porções, água, refrigerante, coco e uma sombrinha esperta – essa última disponível diariamente. Se ele não estiver aberto é essencial levar algum lanchinho e principalmente água, pois o sol e o calor são fortíssimos e o risco de insolação e desidratação é constante.

page4

Nas horas de descanso a gente ficava mesmo era mergulhado na lagoa, conversando com os amigos e babando nas manobras de kite feitas muitas vezes por cima da gente. Estender até o por do sol também garante boas fotos.

page7

page3

No próximo post: Mão na massa, ou melhor, na barra! Nossas aulas de Kitesurf!

Kitesurf: a gente quer velejar também – Surf na Taíba

O objetivo principal da viagem era o Kitesurf, mas se o pico tivesse umas ondinhas não seria nada mal. E na Taíba tem. Se você der sorte pode se deparar com ótimas condições – o que eu já adianto, não foi o nosso caso – e pegar ondas realmente boas.  Os  dois picos principais – Morro do Chapéu e Taibinha – costumam ser palco de competições amadoras e profissionais e deixam os cearences orgulhosos da sua terra.

page1

Taíba tem potencial para o surf e é palco de diversos campeonatos.

O Morro do Chapéu fica no canto direito, bem em frente ao Taíba Beach Resort, onde estávamos hospedado.

As ondas quebram em cima de uma bancada de corais – é bom tomar cuidado na hora da vaca –  e ficam melhores na maré baixa. Se estiver ventando – o que acontce 99% do tempo – a melhor opção é surfar bem cedo ou no fim da tarde quando o vento está mais fraco, pois apesar de ser terral pode dar uma segurada nas ondas.  Nós não pegamos um bom swell, e as ondas estavam bem pequenas, mas o pico tem potencial para receber ondulações de até um metro e meio e proporcionar um bom surf para quem der sorte.

O Waves tem uma câmera ao vivo que mostra as condições do mar.

page4

Lívia e Mau: primeiro em ondas separadas e depois quase trombando e atropelando a Janine.

page3

Caru e Gui Saindo do mar. Janine em uma das muitas ondas do dia.

Taibinha fica no meio da praia. As ondas também quebram numa bancada de corais e funcionam melhor do que o Morro do Chapéu na maré cheia. O pico é ótimo para prática de Kitewave pois além das boas ondas, a direção do vento em relação à praia é excelente.

page2

Os meninos até tentaram fazer um Kitewave, mas as condições realmente não ajudaram.

Nossa rotina durante a semana que passamos lá era surf de manhã e kitesurf depois do meio dia. Quando a gente volta pra lá mesmo?

*** Algumas das fotos desse post não são de autoria do blog. Se você detém os direitos autorais de alguma das imagens e deseja que ela seja creditada ou retirada por favor contate-nos.

Kite Surf: a gente quer velejar também – Hospedagem na Taíba

Apesar de ser uma cidade pequena a praia é bem extensa e é legal ficar atento a localização na hora de escolher a hospedagem. Como nosso foco principal era o Kite, nossa intenção era ficar o mais próximo da lagoa possível. Porém, após um pouco de pesquisa percebi – e confirmei pessoalmente depois –  que não há nada realmente perto da lagoa. De nenhuma pousada você vai conseguir ir a pé até ela, portanto, optamos por ficar de frente para o pico de surf,o Morro do Chapéu, que fica exatamente na ponta oposta da praia.


Visualizar Sem título em um mapa maior

Estávamos em dúvida entre alugar uma casa e ficar em uma pousada – já que estávamos em sete pessoas. Por fim achamos um lugar que unia os pontos positivos de cada uma dessas opções.

O Taíba Beach Resort é um condomínio de casas e pequenos apartamentos. De frente para a praia conta com uma ótima estrutura – tem segurança, estacionamento, wi-fi, restaurante que serve aperitivos e refeições e uma piscina linda. A maioria das propriedades pertencem a holandeses e talvez por isso, nós eramos praticamente os únicos por ali.

page recepção page piscina page externas

Ficamos em um apartamento que eu achei pelo site Alugue Temporada com uma diária super justa. (O apartamento que nós ficamos não está mais disponível no site. Tentei contato com os proprietários e não obtive retorno. Porém outras unidades do mesmo resort estão disponíveis no site e também através de contato direto com o condomínio.)

Os proprietários, foram bem atenciosos com a gente. Nos deram várias dicas e levaram os meninos para dar uma volta pela cidade, mostrando como fazíamos para chegar até a lagoa, os principais restaurantes e comércio.

Os dois quartos – com ar condicionado e Tv –  e o mezanino,  acomodaram-nos muito bem. O único inconveniente é que os banheiros – são dois no total – ficam no interior dos quartos e se alguém for dormir no mezanino vai ter que de qualquer jeito, entrar nos quartos para usa-los. Democraticamente nos dividimos e combinamos que iríamos sempre dormir de porta aberta, pra ninguém ficar constrangido de entrar.

page sala

A cozinha tem todos os utensílios: cafeteria, bebedouro quente e frio, maquina de lavar louça e até uma máquina de lavar roupa que nós usamos bastante. A sala é grande e tem uma Tv com vários canais. As duas varandas  com rede, super gostosas, foram o lugar que ficávamos a maior parte do tempo.

page cozinha page varandas

A escolha de ficar lá não podia ter sido mais assertiva. Taíba possui poucos restaurantes e foi ótimo poder fazer algumas refeições em casa. Além disso a área comum do apartamento nos permitiu uma socialização maior com nossos companheiros de viagem.

page galera

Fora a área do condomínio que é incrível e o restaurante com preço justo e comida gostosa. Se soubéssemos dele antes, teríamos nos programado para cozinhar menos.

page vistas

Além da diária você paga uma taxa de limpeza, que acontece no dia do check out. Nós contratamos a faxineira mais um dia, no meio da nossa estadia, para dar uma ajeitadinha em tudo.

Para quem vai em menos pessoas, ou simplesmente prefere ficar numa pousada, há algumas opções. Nós conhecemos duas delas.

A Pousada Taiba Blauset – onde os amigos que vieram só passar o fim de semana ficaram – é ok e tem bom preço, mas as fotos do site valorizam bastante a realidade.

page bauset

A Vila Marola é um pouco mais cara, mas mais bonita e bem mantida, além de ser de frente pra praia e possuir uma escola de kite própria.

page vila marola

Mais informações:

Pousada Taiba Blauset
http://www.pousada-taiba-blauset.com/en/index.html
Rua Barra Mar, nº1
pousadablauset@gmail.com
Telefone:  55 (85) 87087512
Diárias a partir de R$85,00

 

Pousada Vila Marola
http://www.vilamarola.com.br/
+55 85 33156392
+55 85 33156357
+55 85 91817734
Diárias a partir de R$200,00

 

Taiba Beach Resort
http://taibabeachresort.com/

Kitesurf: a gente quer velejar também! – A escolha do pico

Esse post dá início a uma nova vertente do Destino Califórnia, a aba “Outros Destinos”, que vai reunir dicas e relatos sobre outras viagens que fizemos, sempre envolvendo esportes radicais e natureza.

Vamos estreá-la com uma viagem que fizemos em julho de 2013, para o Nordeste do Brasil.  O principal objetivo da viagem era aprender um novo esporte, o Kitesurf.

Para quem não sabe, nós moramos a cinco anos em Ilhabela, no litoral norte de São Paulo. Conhecida como capital da vela, a Ilha costuma receber ventos e o canal que a separa de São Sebastião fica todo colorido, repleto de veleiros e mais recentemente, de Kitesurfs.

O canal de Ilhabela em dia de vento leste. Foto: O Rei da Ilha

O canal de Ilhabela em dia de vento leste. Foto: O Rei da Ilha

O esporte surgiu a pouquíssimo tempo, mas sua popularidade vem crescendo desde então. Aqui na Ilha, já virou uma febre, e a gente ficava babando vendo toda aquela galera se divertindo na água – vale lembrar que aqui não tem onda e o vento é uma das únicas alternativas para prática de um esporte aquático mais radical.

Mas aí você me pergunta: se venta aí onde vocês moram, porque fazer uma viagem para aprender a praticar o esporte?

Porque aprender a velejar de Kite não é uma tarefa das mais fáceis e as condições aqui da Ilha não são ideais para iniciantes. O vento não é tão constante, a correnteza do mar é forte e o canal é fundo, o que faz necessário um bote de apoio para evitar maiores perrengues.

Nossos amigos, praticantes do esporte, costumam viajar ao menos uma vez por ano, normalmente para o Nordeste, em busca de condições clássicas e velejo por dias seguidos – algo raro por aqui.

Decidimos então embarcar em uma dessas viagens. Queríamos um destino que proporciona-se diversão para os mais experientes e boas condições para quem fosse aprender. Cogitamos João Pessoa, Canoa Quebrada, Cumbuco… no fim acabamos escolhendo Taíba, uma cidadezinha do litoral cearense que fica a cerca de uma hora de carro de Fortaleza.

Taiba visão geral

Em sete pessoas – quatro velejadores experientes, dois iniciantes e uma grávida – mais três amigos que iriam nos encontrar apenas no fim de semana, fechamos a viagem. Uma semana no paraíso do Kitesurf.

No próximo post : mais sobre a praia de Taíba e como a gente fez pra chegar até lá.

*As fotos desse post não são de autoria do blog. Se você detém os direitos de alguma das imagens e quiser que a mesma seja retirada ou creditada, por favor, contate-nos.