Nossa despedida de Balboa Island

De Laguna Beach fomos direto para Balboa tomar um banho e curtir nossa última noite na Ilha. Dar adeus a esse lugar não foi tarefa fácil: era tudo tão perfeito que nem parecia verdade.

O O.C. não é um destino tão comum para quem visita a California. As pessoas normalmente optam pelas grandes cidades e acabam deixando de lado pequenos lugares como esse. Posso afirmar que o O.C. trouxe tantas, ou até mais experiências inesquecíveis para nós, quanto San Francisco, LA ou San Diego.

Balboa é um lugar que parece não existir: as ruas são impecavelmente limpas, não há criminalidade, todos são educados e cordiais e tudo funciona perfeitamente. Além disso, ela fica no meio de um canal cheio de veleiros lindos, dentro de Newport Beach, um lugar que consideradas as devidas proporções traz todas essa qualidades também. Como deixar esse lugar?

aaa

As casas de Balboa são lindas.

aaa

Todas tem jardins impecavéis.

aaaa

aaa

aaa

As ruas são limpas e organizadas.

aaaa

aaa

Newport do outro lado do canal.

aa

O por do sol.

aaaa

aaaa

aaa

aaa

aaaa

aaaa

Já a noite, Newport do outro lado.

Mais difícil ainda foi dar adeus a nossa anfitriã Linda que como já contamos nesse post aqui, fez nossa viagem ficar mais especial. Na manhã seguinte – dia do nosso check out – o Gui saiu às cinco da manhã para surfar em Trestles. Eu passei minhas últimas horas com ela, compartilhando histórias cotidianas sobre nossas famílias e viagens.

Linda disse que não conheceríamos bem Balboa se não tivéssemos provado a iguaria mais famosa da ilha, a Banana Frozen. E foi assim, na lojinha da Marine Ave, que nos despedimos desse pedacinho da nossa vida, que apesar de ter durado apenas três dias, vai ficar pra sempre nos nossos pensamentos.


Ver mapa maior

aaa

A famosa Banana de Balboa.

aaa

Ela vem congelada e envolta em chocolate.

aaa

Depois é só escolher uma cobertura – a gente optou por castanhas –  e se deliciar.

Pegamos a estrada com direção a San Diego, mas antes de começar a contar nossa passagem pela cidade, vamos fazer mais alguns posts relacionados ao O.C. O próximo é o nosso roteiro resumido!

Ciao – nosso delicioso jantar Italiano em Balboa Island

Depois da nossa “volta” pela Ilha decidimos continuar caminhando pela Marine Ave, uma das principais e mais movimentadas de Balboa Island, a procura de algum lugar para jantarmos. É lá que fica praticamente todo o comércio, incluindo os restaurantes.

Marina Avenue:


Exibir mapa ampliado

Aleatoriamente, optamos pelo Ciao, um restaurantezinho italiano, pequeno e charmoso. O que nos chamou atenção e fez com que o escolhêssemos, além do cardápio é claro, foram as mesinhas do lado de fora e o ambiente super acolhedor – como quase tudo em Balboa.

Restaurante Ciao, na Marine Avenue.

Restaurante Ciao, na Marine Avenue.

Mapa:


Exibir mapa ampliado

Estavamos com bastante fome e já fomos direto para o prato principal. Ambos pedimos “Penne con Gamberi” – penne ao molho de tomates frescos, manjericão e camarões.

Mais uma vez pudemos provar a inveracidade da teoria de que se come mal nos Estados Unidos: a massa estava deliciosa – tão boa quanto as das melhores e mais caras cantinas de São Paulo. Havia tantos camarões que chegamos a deixar alguns no prato – normalmente o que sobra é macarrão! Tudo isso por um preço justo e acessível. Os pratos tinham preço médio de $16, o couvert é grátis e eles oferecem água aos clientes.

Penne con Gamberi: delicioso!

Penne con Gamberi: delicioso!

Além de massas, o restaurante tem no menu saladas, bruschetas, pizzas, peixes e carnes.

O menu completo você encontra aqui: http://www.urbanspoon.com/cities/20-orange-county/restaurants/241744-ciao/menu

Mais informações:

Ciao Italian Eatery
223 Marine Avenue
Balboa Island, CA 92662
(949) 675-4070
Terça a sexta –  7:00 am ás 11:00 am

No próximo post: Crystal Cove Historic Distric, as casinhas a beira mar dos anos 30

Arraia em Balboa Island

Depois de nos acomodarmos na casa da Linda, saímos a pé para dar uma volta em Balboa Island – o que nesse caso significava dar uma volta mesmo, completa! Esse é o trajeto que muitos dos moradores fazem durante a corrida matinal ou a caminhada do final de tarde. Ele tem cerca de 3 quilometros e se feito devagar, demora cerca de 40 minutos.


View Larger Map

Ao descer a rua começamos a perceber uma movimentação incomum de pessoas e crianças – algumas já de pijamas (fofas!) – se dirigindo ao canal bem empolgadas. Parei uma das mães e perguntei o que estava havendo e ela me disse que alguns meninos haviam pescado uma arraia no píer.


View Larger Map

O pier.

O pier aonde a arraia foi pescada.

Fomos conferir, afinal, não é todo dia que você vê uma arraia no anzol! Chegando lá, o tamanho do animal nos surpreendeu bastante – e colaborou com o meu receio de entrar na água nos próximos dias. A arraia era enorme e linda. Os meninos se esforçaram para retirar o anzol sem machuca-la e cortaram seu ferrão para guardar de lembrança com toda delicadeza possível. Depois de permitir que algumas crianças passassem a mão e tirassem fotos, jogaram ela de volta ao canal.

A arraia.

O tamanho da arraia nos impressionou.

Retirando o ferrão e devolvendo-a ao canal!

Retirando o ferrão e devolvendo-a ao canal!

Foi super bacana participar desse momento com os moradores. Em Balboa não há quase turistas e o clima de “home sweet home” predomina nas redondezas. Nos sentimos privilegiados de poder sentir isso tão longe da nossa verdadeira casa.

Ao chegarmos do passeio, contamos pra Linda o presente que tínhamos ganhado. Ela adorou e pediu até as fotos para compartilhar em seu facebook. Disse que nunca havia presenciado algo assim!

Continuamos nossa “volta” a pé, que se estendeu com um delicioso jantar em um restaurante italiano, sobre o qual vou falar no próximo post.

Os arredores de Balboa.

Os arredores de Balboa.

Nossa casa no O.C.

Mais uma vez usamos o site Air BNB para escolher a nossa hospedagem durante a viagem. Já expliquei como ele funciona e contei nossa primeira experiência em Santa Cruz aqui, e também contei como foi se hospedar na casa do George em Santa Monica aqui.

No caso do O.C., a escolha do lugar ocorreu de uma maneira um pouco diferente dos outros. Não sabíamos ao certo em que praia gostaríamos de ficar. Huntington, Newport, Laguna e San Clemente ficam todas dentro do condado e tem muitos atrativos que nos atraem.

A area de Newport.

A area de Newport.

Buscando no site por algum lugar bacana dentre essas possibilidades, me deparei com a casa da Linda e me apaixonei completamente por ela. A casa parecia ter saído de um sonho de verão, toda bem cuidada e cheia de detalhes charmosos. A anfitriã, parecia educada e preocupada com seus hóspedes.

Mas o melhor ainda estava por vir: a localização. O paraíso da Linda fica dentro de outro paraíso e ele se chama Balboa Island.


Exibir mapa ampliado

A pequena ilha artificial – além dela existem mais duas menores –  fica no meio do canal de Newport, uma das comunidades a beira mar mais chiques da Califórnia. A ilha em si, é mais exclusiva ainda. Com uma população de cerca de 3 mil habitantes, é um dos territórios com maior densidade demográfica da Califórnia. As pequenas casas têm preços estratosféricos.

A ligação com o continente é feita através de uma ponte que fica do lado norte da ilha, ou por uma pequena balsa ao sul, que liga o pedacinho de terra a peninsula de Newport.

A ponte que liga Balboa ao continente.

A ponte que liga Balboa ao continente.

O trajeto também pode ser feito pela pequena balsa.

O trajeto também pode ser feito pela pequena balsa.

Apesar da diária de $110 exceder um pouco nosso orçamento, decidimos nos dar o presente de fazer parte por três dias desse lugar que parecia só existir nos filmes.

Chegamos a Balboa – vou fazer um post depois só sobre a ilha, contando mais detalhes de como esse lugar é bacana –  por volta das seis da tarde da quinta-feira, 25 de agosto de 2011. Linda, a anfitriã, estava a nossa espera. Seguindo sua orientação, paramos o carro na rua em frente a casa e fomos conhecer seu paraíso. As fotos falam por si.

A fachada da casa e alguns detalhes do quintal.

A fachada da casa e alguns detalhes do quintal.

A rua da Linda e o quintal da casa.

A rua da Linda e o quintal da casa.

A sala com lareira.

A sala com lareira.

Linda nos surpreendia nos detalhes. Até plaquinha de boas vindas ela fez pra nós.

Linda nos surpreendia nos detalhes. Até plaquinha de boas vindas ela fez pra nós.

Nosso quarto: lindo como todo o resto. O colchão, os travesseiros e os cobertores eram perfeitos.

Nosso quarto: lindo como todo o resto. O colchão, os travesseiros e os cobertores eram perfeitos.

O banheiro não fica de fora de todo o cuidado. Adorei os sabonetes líquidos da Bath and Body Works. Comprei um estoque pra minha casa.

O banheiro não fica de fora de todo o cuidado. Adorei os sabonetes líquidos da Bath and Body Works. Comprei um estoque pra minha casa.

Além da hospedagem, Linda nos ofereceu também o café da manhã. Cada dia ela nos surpreendia com algo mais gostoso e reconfortante. Frutas vermelhas com iogurte grego e nozes, english muffins quentinhos, bolos e até uma torta de maçã fresquinha – e quentinha! –  de uma padaria próxima. Infelizmente não tiramos foto do café todos dias mas o cuidado da Linda me impressionou muito. Em um dos dias, ela saiu cedo para dar uma volta de kayak – um dos seus passeios favoritos pela ilha – e deixou tudo prontinho, acompanhado de um bilhete com as instruções. Coisa de mãe!

Linda's note. I love it!

O bilhete fofo da linda!

O café da manhã que linda preparou para nós no primeiro dia.

O café da manhã que linda preparou para nós no primeiro dia.

Linda foi a melhor surpresa dessa nossa hospedagem. Apesar de já pelos e-mails perceber que ela era uma pessoa educada e atenciosa, não esperava sentir essa afinidade por ela. Desde o momento em que chegamos sua atenção me encantou. Seu interesse pela nossa história, sua paciência ao nos ouvir falar em inglês e a preocupação em nos deixar informados de tudo – ela chegava a ver a previsão das ondas no jornal pra gente –  são algumas das coisas que posso citar e que muito provavelmente você vai receber também se escolher se hospedar com ela – de uma olhada no reviews sobre ela no site. Já a amizade que construímos, essa eu não posso garantir. É coisa que vai além de fatos, vem do coração.

Nós e a querida Linda.

Nós e a querida Linda.

Linda, saiba que você fez a nossa viagem um pouco mais especial e inesquecível. Eu e o Gilbert – é assim que ela chamava o Gui  – somos muito agradecidos por tudo e pensamos sempre em você.  A gente espera um dia poder te reencontar para compartilhar o que aconteceu com a gente desde aquele verão, que como você sabe, foi um dos mais especiais da nossa vida! Saiba que, se um dia você tiver a oportunidade, será muito bem vinda na nossa casa e na nossa Ilhabela, aqui no  Brasil!

Mantive contato com a Linda por um bom tempo após a viagem, mas faz algum tempo já que não falo com ela. Vou traduzir esse post para o inglês para que ela possa ver.

Se você quiser conferir a versão em inglês, clique aqui.

Link da casa da Linda no Air BNB: https://www.airbnb.com.br/rooms/70701

No próximo post: A arraia de Balboa Island